sábado, 31 de março de 2012

Mutirão da dengue reúne pacientes e funcionários

O mutirão realizado ontem (30) no Hospital Psiquiátrico Bezerra de Menezes de Presidente Prudente contou com a participação de 68 pacientes e 17 colaboradores do hospital,  entre ele,s enfermeiros, auxiliares de TO  ( Terapia Ocupacional) e de enfermagem, psicólogos,  manutenção, lavanderia entre outros.

Paciente verifica se há focos de dengue
De acordo com a técnica de segurança do trabalho, Sandra Regina, os pacientes percorrem diversos locais do hospital. “Eles visitaram a horta,os jardins, estacionamento, ATE (Ala de Tratamento Especial) conhecido como Recanto dos Velhinhos, telemarketing, rouparia, lavanderia, e a colônia (conjunto de casas próximo ao hospital, onde funcionários residem)." 

Sandra salienta que além da verificação do foco do mosquito da dengue em todos os setores, os pacientes aproveitam para recolher lixos comuns que estejam espalhados pelo chão, como papéis de bala, folhas de papel, garrafas e latinhas de refrigerante.

Terapeuta ocupacional auxilia paciente na retirada de restos de lixo no hospital
A terapeuta ocupacional, Ligia Copeti, argumenta que o mutirão é realizado a cada 15 dias, e durante a semana em que ocorre é desenvolvido junto aos grupos operativos dos pacientes, uma campanha de conscientização, onde são distribuídos folhetos e cartazes explicativos sobre a dengue.

No inicio desta semana, na segunda-feira (26) a enfermeira, Mayla Goulart, ministrou uma palestra expondo sobre os riscos da dengue, os modos de transmissão, prevenção, tratamento e principalmente forma de se evitar focos de dengue.

“Aproveitamos a internação deles para promover a saúde e conscientizá-los. Eles levam estas informações também para dentro de suas casas”, afirma.

A diretora clínica do hospital e psiquiatra, Michelle Medeiros Lima Salione, completa: “Durante o período que os pacientes estão em tratamento conseguimos fazer um trabalho de prevenção e conscientização”. O mutirão é realizado há mais de nove anos, e a participação dos pacientes é fundamental.

Por: Alana Pastorni