quinta-feira, 12 de julho de 2012

Hospital utiliza animais em trabalho de terapia

Alana Pastorini

Desde 20 de junho o Hospital Psiquiátrico Bezerra  de Menezes de Presidente Prudente utiliza um bezerro, batizado de Obama, para o tratamento com pacientes.


O proprietário do bezerro, o barbeiro do hospital, Valdecir Ferreira dos Santos e o paciente.

Há um ano e meio, o hospital vem apostando nesta terapia que começou com o Pépe, um Golden Retriver.
Pépe brinca com o paciente

A terapia que usa animais é denominada de terapia assistida por animais. De acordo com a terapeuta ocupacional, Ligia Copetti, esse tipo de ação consiste em envolver serviços profissionais da área médica e de outras, onde o animal é utilizado como motivador afetivo para os pacientes. 

“O intuito deste trabalho é de melhorar a qualidade de vida do indivíduo, proporcionando vários benefícios emocionais, como: amor incondicional e atenção, espontaneidade das emoções, redução da solidão, diminuição da ansiedade, alegria, troca de afeto,expressão dos sentimentos, entre outros”, revela.

O contato com o animal é um a forma de expressar os sentimentos
A terapeuta, explica ainda que a iniciativa de usar animais como forma de tratamento, veio a partir de um estudo realizado por ela e pela terapeuta ocupacional, Valéria Cristina de Oliveira Kurazawa.

De acordo com Ligia, a ideia de utilizar um bezerro na terapia assistida, surgiu ao verificar que quando os pacientes realizavam as caminhadas, toda terça-feira, eles sempre passavam próximo ao bezerro, que fica pastando na colônia em frente ao hospital, local onde residem alguns funcionários. Lá, eles sempre pediam para interagir com o boizinho, aos poucos avaliou-se que a interação entre o animal e os pacientes era de grande importância e que trazia resultados positivos. “Os pacientes adoram brincar com o Obama, eles ficam tão felizes, é uma troca afetiva gratificante”, revela Ligia.



Ligia, enfatiza que os resultados alcançados com o uso do cão  e do bezerro foram favoravéis. “O que eu observo entre os pacientes, é que eles ficam mais calmos, mais afetuosos, mais receptivos e principalmente menos agitados, também ressaltando que a pessoa responsável por cuidar do Pépe, cria mais responsabilidade e aprende a cuidar do próximo”, analisa.

O contato com o cão diminui a depressão e reforça a auto-estima